domingo, 4 de abril de 2010

Revira que não volta.

Se ela soubesse que não ia acontecer, com certeza não teria esperado tanto; e horas de ansiedade, desejo e agonia poderiam ter sido poupadas.
Junto com a tpm deste mês, chegaram falsas promessas de que, talvez, uma volta ao passado trouxesse uma boa lembrança para ganhar vida na atualidade. Decepção. Tem gente que não se importa com os outros, e da noite pro dia simplesmente se transforma. Ele não parecia mais com ele, ou pode ser que tenha realmente aparecido de verdade, mas tudo estava pior. Muito pior. Impossível explicar a sensação que ela sentia vendo a ampulheta acelerada fazer o tempo passar, e ao mesmo tempo em que o futuro se fazia cada vez mais presente, o passado também vinha na forma de lembranças. Desejou por um momento apagá-las da sua cabeça e só voltar a tê-las quando tudo aquilo tivesse realmente passado. Aquilo o que? Esse era o problema, explicação nenhuma lhe foi dada e apesar de não entender nada do que estava acontecendo, sabia que ali começava a se traçar o fim de algo que nem tinha começado na verdade, e não por culpa dela.
As pessoas não escolhem de quem gostam ou não, mas, sim, elas podem fazer de tudo para deixar de gostar delas. Agora, os ponteiros do relógio não mais empurrarão só o vácuo, serão responsáveis pelo ritmo de caminhada das suas pernas, pois, para ela, a corrida já começou e apesar de não saber que obstáculos encontrará pelo caminho, sabe que passará por todos eles e mais que isso, sabe que sairá vitoriosa.

5 comentários:

  1. Lindo texto, poético e profundo. No final, otimista! Gostei mesmo, adoro essas fotos de momentos densos e ricos de sentimentos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Gostei do texto. Deep words...
    Bjkas

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo Blog, muito bom!

    ResponderExcluir
  4. Muiito profundo e verdadeiro o texto
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Amei esse texto. Apesar de narrativo é a mais pura realidade, todas nós procuramos a vitória no amor!

    ResponderExcluir